READING

O menino que não desconfia da própria sorte

O menino que não desconfia da própria sorte

O designer Daniel Pinheiro, 39 anos, nunca foi exemplo de pessoa previdente: costumava fazer piada sobre si mesmo e apostava que o sedentarismo e tabagismo lhe garantiriam uma vida curta. Ele nem imaginava, mas a paternidade mudaria tudo isso. Ao saber que a esposa, a advogada Rayana Belém, estava grávida, decidiu cumprir uma promessa antiga. “Eu dizia que quando fosse pai, deixaria de fumar. O cigarro tinha virado fonte de muita ansiedade, era um vício, mas ainda assim, achava que o dia de parar estava muito distante. Até ser pego de surpresa. Foi quando caiu a ficha de que eu precisava cuidar de mim para conseguir cuidar bem de um filho. Busquei ajuda, fiz um tratamento médico e, depois de vinte anos de muita nicotina, abandonei o hábito. Foi um grande presente que Tom me deu”, conta.

As mudanças não pararam por aí. Quando Tom fez nove meses, Daniel resolveu fazer uma previdência privada para o filho. Era o primeiro Natal da família. “Um bebê tão pequeno não teria qualquer compreensão se ganhasse um brinquedo ou roupa. Então quis dar a ele um presente simbólico, algo que fosse impactar no seu futuro”, lembra.

A decisão pelo RealizePrev é fácil de entender: Daniel cresceu ouvindo o nome da Fachesf em casa, sempre de forma positiva. Filho do Participante Romero de Oliveira, assistido desde 2011, o pai de Tom é beneficiário do Fachesf-Saúde desde criança. “O nome da Fundação sempre circulou na família. ‘Cadê a carteirinha da Fachesf? Tem que ir fazer a perícia odontológica’. Essas eram frases muito comuns lá em casa. Claro que uma criança não tem noção da importância de um bom plano de saúde. Mas depois de adulto, percebi o tamanho disso e a confiança na Fundação só aumentou. Passei a ver amigos relatando dificuldades com seus planos de saúde, e essa é uma preocupação que nunca tive”, comenta.

Com a adesão ao RealizePrev, Tom se tornou Participante Fachesf e, mesmo sem saber, deu início a uma construção que fará diferença em sua vida adulta. “A gente sabe que o mercado de trabalho está cada vez mais complexo e instável. Nosso objetivo principal ao aderir ao Plano foi garantir alguma renda para ele no futuro, independentemente de suas escolhas profissionais. Também pretendemos fazer outros investimentos, de forma diversificada, com valores que não comprometam muito nosso orçamento familiar. O RealizePrev foi nosso primeiro passo”, conta Daniel.

Do alto de seu um ano e meio de vida, Tom é um bebê adorável: já deixa os pais dormirem um pouco mais, adora dançar, encaixar pecinhas, tomar banho e se esconder atrás da cortina da sala até ser encontrado. Não falta amor na vida do menino. E ele nem desconfia da própria sorte. Ter pais que, além de afetuosos, são previdentes, não acontece com todo mundo. Essa percepção, só o tempo poderá lhe dar.

——————-

Mais de 30% dos Participantes do RealizePrev têm entre 0 e 20 anos de idade. São crianças e jovens que contam com o apoio de adultos cuidadosos e previdentes. Para mais informações sobre o RealizePrev, visite o site www.realizeprev.com.br. Ou manda um WhatsApp para 81.99911-1015.


Maria Eduarda é analista de comunicação da Fachesf.

  1. Isabella

    14 outubro

    Que lindo texto…

  2. IVANDE JUNIOR

    16 outubro

    Que história maravilhosa e inspiradora. Daniel sendo previdente e pensando no futuro de sua família, é uma forma de amar muito linda. Que seja um exemplo para todos os pais.

  3. Julyana Bello

    17 outubro

    Belíssima matéria!!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao usar este formulário, você concorda com o armazenamento e o manuseio de seus dados por este site.

INSTAGRAM
Instagram Fachesf